Sem nome



Sofro o teu silêncio,
A incapacidade para me dizeres
‘ Gosto de ti’,
E contudo, eu sei…
Tu gostas de mim.
O teu olhar é doce, triste,
Ternamente me diz em silêncio
‘Como eu gosto de ti, mãe’.

 Puderas tu ter uma outra vida,
Alegre,
Mexida,
Vivida,
Esfusiante…
Puderas tu
Correr com o vento,
Dançar na chuva, de pés bem molhados,
Olhar o arco-íris,
Aguarela de mil cores,
Saborear um gelado e … amar!
Vida misteriosa a tua,
Frágil,
Sofrida,
Incapaz desse fazer sentida por quem passa.
 (Maria da Glória)

Aguarela, papel 300gm

Nenhum comentário: