Como que, um poema...


O poema obriga a pernoitar na solidão dos bosques, em campos nevados, por orlas intactas. Que outra verdade existe no mundo para lá daquela que não pertence a este mundo? O poema não busca o inexprimível: não há piedoso que, na agitação da sua piedade, não o procure. O poema devolve o inexprimível. O poema não alcança aquela pureza que fascina o mundo. O poema abraça precisamente aquela impureza que o mundo repudia.
                                                                             (José Tolentino Mendonça)
Aguarela s/papel 300g
Pintura ao vivo -Cister saberes e sabores - Arouca

Nenhum comentário: