Cinzas de um tempo

 
 
Num céu cor de prata
perco a contagem dos dias...
Sigo o preto crocitar dos corvos,
 Embarco na linha do horizonte,
vou espiando a terra em repouso,
deserta,
debruada a verde reflexo.

Nada se move, tudo é estático;
alimento os olhos de juvenis
memórias;
Cinzas de um tempo
que só a água teima em espelhar.
                                      (José António Patrício)
Aguarela s/papel 300g/colecção particular.

Nenhum comentário: